Na colecção “Sharp Ends", é mais uma vez perceptível o quanto o percurso arquitectónico de Ana Bragança influencia a sua joalharia e que é aqui que se encontra a sua originalidade. Ao observar estas peças, alguns verão ruas, outros uma secção de uma fachada, alguns irão vislumbrar partes de um projeto urbano fictício, e outros simplesmente apreciarão suas vincadas formas geométricas.

Nesta coleção de peças únicas, Ana brinca também com texturas e usa-as para realçar ainda mais as partes da peça que contêm arestas vivas.